Como disciplinar a cotação de adicional de insalubridade nas contratações de prestação de serviços com dedicação exclusiva de mão de obra?

Autor:

Categoria: Terceirização

Tags: , ,

No Seminário “A FISCALIZAÇÃO PARA A PREVENÇÃO DA RESPONSABILIDADE TRABALHISTA NOS CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO”, realizado entre 17 a 19 de outubro em Brasília, um dos temas objeto de dúvidas de diversos participantes foi como disciplinar no edital para contratação de prestação de serviços com alocação exclusiva de mão de obra, aspecto envolvendo o pagamento de adicional de insalubridade pela contratada aos seus empregados.

Basicamente, os participantes indagavam se, nessas situações, a melhor alternativa seria a Administração realizar o laudo e, de acordo com o seu resultado, informar no edital de licitação a necessidade de as licitantes preverem nas suas planilhas de custos e formação de preços, percentual para fazer frente pagamento do adicional de insalubridade aos seus empregados.

Para saber se essa é a melhor solução, vejamos o disposto no art. 192 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT):

O exercício de trabalho em condições insalubres, acima dos limites de tolerância estabelecidos pelo Ministério do Trabalho, assegura a percepção de adicional respectivamente de 40% (quarenta por cento), 20% (vinte por cento) e 10% (dez por cento) do salário-mínimo da região, segundo se classifiquem nos graus máximo, médio e mínimo.

Conforme definição do Ministério do Trabalho e Emprego (TEM), “atividades insalubres são aquelas que expõem os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites legais permitidos” (Disponível em: Ouvidoria MTE – Dúvidas Trabalhistas). Os limites de tolerância estão previstos nos anexos da Norma Regulamentadora NR-15 do MTE, aprovada pela Portaria nº 3.214/78, com alterações posteriores.

Juridicamente, o pagamento desse adicional exige o reconhecimento da condição de exercício de trabalho em condições insalubres, por meio de perícia a cargo do médico ou engenheiro do trabalho, segundo as normas do MTE.

O pagamento desse adicional pela empresa prestadora de serviço com alocação de mão de obra em regime de exclusividade deve ser objeto de atenção pela Administração contratante, pois, verificado o exercício da atividade em condições insalubres, surge o direito dos empregados, o qual, se não for observado pela empresa contratada, expõe a Administração contratante ao risco da responsabilização subsidiária trabalhista, na forma da Súmula nº 331 do Tribunal Superior do Trabalho.

Ocorre que, segundo a disciplina normativa aplicável, o dever de providenciar a perícia para fins de pagamento de adicional de insalubridade é da empresa contratada, e não da Administração tomadora dos serviços.

Em vista disso, o Plenário do Tribunal de Contas da União, no Acórdão nº 727/2009, expediu determinação para que:

“inclua no edital, como obrigação da contratada, a realização de perícia, a ser realizada por profissional competente e devidamente registrado no Ministério do Trabalho e Emprego, atestando o grau de insalubridade (máximo, médio ou mínimo), quando for o caso, bem como se a atividade apontada como insalubre consta na relação da NR-15 do Ministério do Trabalho, nos termos do art. 192 da CLT e NR-15, aprovada pela Portaria 3.214/78 do Ministério do Trabalho e Emprego, ficando o pagamento do adicional de insalubridade condicionado à realização da referida perícia”. (TCU, Acórdão nº 727/2009, Plenário, Rel. Min. Raimundo Carreiro, DOU de 20.04.2009.)

Assim, por ocasião do planejamento da contratação, da estimativa de seu preço e da elaboração do edital de licitação, a Administração não possui condições de aferir se haverá ou não o dever de a futura contratada pagar o adicional de insalubridade aos seus empregados.

Na prática, isso significa que as empresas participantes da licitação apresentarão suas propostas também sem saber se haverá a incidência desse ônus na formação de seus custos. E mais, se futuramente houver a constatação do dever de pagar o adicional aos empregados, certamente esse fato repercutirá no equilíbrio econômico-financeiro do contrato.

Diante desse cenário, inclino-me a orientar aos órgãos e às entidades da Administração que disciplinem em seus editais um prazo para, firmada a contratação, a contratada providenciar a execução da perícia e apresentar o laudo elaborado.

O edital também deve prever que, constatada a incidência do adicional, a empresa fica obrigada a pagá-lo a todos os empregados envolvidos na prestação dos serviços desde o início de sua execução, e, nesse caso, também haverá direito à revisão de preços, na forma do art. 65, inc. II, alínea “d”, da Lei nº 8.666/93.

VN:F [1.9.22_1171]
Avaliação: 0.0/5 (0 votos)

Deixe o seu comentário!

Ao enviar, concordo com os termos de uso do Blog da Zênite.

10 Comentários

Excelente!!!! Vejo que ficou esclarecido essa questão do momento de definição do percentual de insalubridade no processo de contratação de serviços terceirizados com uso exclusivo de mão-de-obra.

VA:F [1.9.22_1171]
O que achou?
+1 1 voto
 

Olá sr. José Avelar!
Obrigada por acompanhar o Blog da Zênite e colaborar com sua impressões! Continue seguindo a Zênite nas redes sociais!

VN:F [1.9.22_1171]
O que achou?
0 0 votos
 

E quando não há previsão no Edital da realização da perícia pelas empresas? Cabe à Administração fazê-la, exigir da empresa e depois revisar o contrato ou seria possível solicitá-la ao MTE??

VA:F [1.9.22_1171]
O que achou?
0 0 votos
 
Ricardo Alexandre Sampaio disse: 25 de fevereiro de 2015 às 23:28

Prezada Fernanda,
Pelas normas do MTE, cabe ao empregador providenciar a realização da perícia. Logo, o fato de não haver previsão no Edital acerca da realização da perícia pelas empresas, não impede a Administração solicitar essa providência.
Cordialmente,
Ricardo Sampaio

VN:F [1.9.22_1171]
O que achou?
0 0 votos
 
Adriano Fernandes disse: 1 de junho de 2015 às 15:23

Ok, Professor Ricardo Alexandre Sampáio, nosso instrutor no CURSO IN COMPANY:(…) Ciclo da fiscalização para a prevenção da responsabilidade, realizado nos dias 18 e 19 de novembro de 2013, em Natal RN – EGOV. uso muito sua exposição e aconselhamento ministrados nesse curso. Parabéns pelo seu conhecimento!

VA:F [1.9.22_1171]
O que achou?
0 0 votos
 
Ricardo Alexandre Sampaio disse: 4 de junho de 2015 às 20:10

Obrigado, Adriano Fernandes!
Continue acompanhando o blog e demais canais de comunicação da Zênite.

VN:F [1.9.22_1171]
O que achou?
0 0 votos
 

Professor Ricardo,

Nós temos um laudo que foi elaborado por um engenheiro de segurança do trabalho para os servidores administrativos. Os terceirizados não foram citados no laudo. Podemos usar esse laudo para fazer o pagamento dos terceirizados?
O contrato já está em andamento e não foi previsto no edital pois não tinha conhecimento de tal situação.

Obrigado!

VA:F [1.9.22_1171]
O que achou?
+1 1 voto
 
Ricardo Alexandre Sampaio disse: 15 de março de 2016 às 14:55

Prezado Cristiano,
O laudo elaborado para avaliar a condição de insalubridade/periculosidade dos servidores públicos não se aplica aos prestadores de serviços terceirizados. De acordo com as regras das NRs emitidas pelo Ministério do Trabalho, cabe ao empregador e não ao tomador do serviço, providenciar esses laudos.
Cordialmente,
Ricardo Sampaio

VN:F [1.9.22_1171]
O que achou?
0 0 votos
 

Prezado Ricardo,

Sua orientação prevalece mesmo diante do que estabelece o artigo 40, § 1º, da IN 02/2008 (§ 1º É vedada a inclusão, por ocasião da repactuação, de benefícios não previstos na proposta inicial, exceto quando se tornarem obrigatórios por força de instrumento legal, sentença normativa, acordo coletivo ou convenção coletiva.)?

VA:F [1.9.22_1171]
O que achou?
0 0 votos
 
Ricardo Alexandre Sampaio disse: 1 de agosto de 2016 às 11:17

Prezado Matheus,
Sim, porque o caso descrito no post não retrata hipótese de repactuação, afastando a disciplina prevista no art. 40, § 1º da IN SLTI/MPOG nº 02/08.
O fato de haver previsão no instrumento convocatório da licitação nesse sentido, também justifica a adequação da orientação. Não por outra razão, no Acórdão nº 727/2009 – Plenário, o Tribunal de Contas da União recomendou esse procedimento.
Cordialmente,
Ricardo Sampaio

VN:F [1.9.22_1171]
O que achou?
0 0 votos
 

Próximos Seminários Zênite
Publicidade