Licitação deserta ou fracassada: como encerrar?

Autor:

Categoria: Licitação

Tags: , , ,

Por mais simples e procedimental que possa parecer, muitos órgão têm dúvidas na condução de licitações que restam desertas ou fracassadas, até porque tais institutos não estão previstos de modo explícito na legislação, muito menos o procedimento a ser adotado quando eles ocorrem.

Os termos ‘deserto’ e ‘fracassado’ são utilizados especificamente para designar um acontecimento da fase externa do processo de contratação pública e eles ocorrem quando essa fase externa é realizada via licitação. Vale dizer, quando a fase externa é realizada por meio de dispensa ou inexigibilidade, como regra, não há resultado deserto ou fracassado.

A realização da licitação nem sempre possibilita à Administração o atingimento do fim desejado, isto é, a contratação da solução para a sua necessidade, pois, por vezes, nenhum interessado comparece ou, quando comparece, não atende aos requisitos de habilitação exigidos ou sua proposta não possui condições de ser classificada. No primeiro caso, diz-se que a licitação foi deserta e, no segundo, que foi fracassada.

Uma questão recorrente é ‘como finalizar a licitação deserta ou fracassada?’ A legislação pouco tratou de um modo geral sobre licitações desertas ou fracassadas e, nesse toar, também não tratou especificamente do processamento das licitações desertas ou fracassadas. Mas, a contratação pública segue uma sequencia procedimental e mesmo quando a finalidade não é atingida e o contrato não pode ser celebrado, por algum motivo, é preciso que se dê um encerramento adequado ao processo.

Assim, para solucionar a questão, é importante se ter em mente que a Lei de Licitações trouxe apenas três possibilidades para se finalizar um procedimento licitatório: homologação (art. 46, inciso VI, da Lei nº 8.666/93), anulação e revogação (art. 49, da Lei nº 8.666/93). A homologação tem lugar quando a licitação obteve êxito. A anulação é ato praticado para pôr fim a um procedimento que contem vício de legalidade. Já a revogação cabe quando a licitação não concretiza seu objetivo – contratação –, em razões de fatos superveniente que a tornam inoportuna ou inconveniente.

Verifica-se, dos conceitos já trazidos a baila de licitação deserta ou fracassada que estas situações não se enquadram nos exatos termos legais de nenhuma das hipóteses acima aventadas para finalização do procedimento licitatório.

Diante disso, uma primeira possibilidade seria fazer uma interpretação extensiva da legislação e aplicar um dos institutos legais. Se assim fosse, a melhor solução seria a revogação, visto que há um fato superveniente ocorrido no transcurso da licitação – ausência de interessados ou inabilitação/desclassificação de todos os proponentes – que torna a contratação inoportuna e/ou inconveniente. Entretanto, em que pese o entendimento seja sustentável e defendido por alguns, a autora entende diferente.

Veja-se, não vislumbramos que o modo mais adequado de encerrar uma licitação deserta ou frustrada seria forçar um enquadramento no art. 49, da Lei nº 8.666/93, revogando-a. Entende-se que uma licitação, quando deserta ou fracassada, deve simplesmente assim ser declarada, vale dizer, o resultado final do certame e seu encerramento se dão por meio de ato administrativo, praticado por autoridade competente, simplesmente declarando a licitação deserta ou fracassada.

Como dito, a legislação não guarda solução expressa para todos os problemas. Ela apenas traz alguns ingredientes que deverão ser utilizados para elaboração das mais variadas formas procedimentais. A finalização da licitação deserta ou fracassada não está prevista expressamente na Lei, porém faticamente ela ocorre e sua procedimentalização pode ser absolutamente determinada com base no contexto legislativo e do processo de contratação pública. Para tanto, basta uma interpretação deste processo que privilegie a sua compreensão como algo que congrega valores e soluções tanto expressas, mas também e especialmente implícitas na essência deste regime jurídico. As soluções devem trabalhar com as finalidades e as razões de existir de cada instituto. Sendo assim, se a finalidade do instituto revogação se presta a declarar que a Administração não tem mais interesse na contratação nos moldes licitados, não pode ser utilizado para encerrar um procedimento que congrega uma necessidade e uma solução nos quais a Administração ainda possui interesse.

Portanto, entendemos que uma licitação deserta ou fracassada, para encerrar-se adequadamente, deve simplesmente assim ser declarada.

Para aprofundamento do tema, recomendamos leitura do artigo ‘LICITAÇÃO DESERTA OU FRACASSADA: COMO CONDUZIR?’, publicado na Revista Zênite de Licitações e Contratos – ILC nº 240, de fevereiro de 2014, p. 138 e ss.  O mesmo artigo está disponível na Web Zênite Licitações e Contratos. Se você ainda não é assinante, envie um e-mail para comercial@zenite.com.br ou ligue: (41) 2109-8660 e obtenha informações.

VN:F [1.9.22_1171]
Avaliação: 4.2/5 (13 votos)

Deixe o seu comentário!

Ao enviar, concordo com os termos de uso do Blog da Zênite.

9 Comentários

Osvaldino Amaral disse: 15 de abril de 2014 às 10:50

Solicito um exemplo de Encerramento de um processo Licitatório que se deu DESERTA.

VA:F [1.9.22_1171]
O que achou?
+2 2 votos
 

Em nossos casos, geralmente especificamos na ata da sessão o motivo preponderante que culminou na licitação fracassada ou deserta, segundo nossa apreciação do caso concreto. Após tal providência, o jurídico do setor de licitação fornece parecer final acerca do resultado e, por fim, a autoridade competente emite despacho ratificador do resultado.

VA:F [1.9.22_1171]
O que achou?
0 0 votos
 
CARLOS MURILO DE SA LIBORIO disse: 31 de julho de 2014 às 19:33

Esclareceu todas as minhas dúvidas, muito obrigado!

VA:F [1.9.22_1171]
O que achou?
+2 2 votos
 

Obrigada por acompanhar nosso Blog sr. Carlos Murilo! Continue participando conosco!
Atenciosamente,

VN:F [1.9.22_1171]
O que achou?
+2 2 votos
 

Prezado Osvaldino,
Veja-se, para encerrar uma licitação que restou deserta, como dito no post, basta que assim ela seja declarada. Sendo assim, sugere-se que a mesma autoridade que era competente para homologar, revogar ou anular o certamente, elabore despacho declarando que a licitação restou deserta. O despacho poderá ser nos mesmos moldes que se daria um despacho homologatório ou revogatório, porém, com conteúdo declaratório de deserção do certame.
Continue participando do nosso Blog!

VN:F [1.9.22_1171]
O que achou?
0 0 votos
 

Segundo o texto: “Entende-se que uma licitação, quando deserta ou fracassada, deve simplesmente assim ser declarada, vale dizer, o resultado final do certame e seu encerramento se dão por meio de ato administrativo, praticado por autoridade competente, simplesmente declarando a licitação deserta ou fracassada.”
Pergunto: o pregoeiro pode ser considerado autoridade competente para declarar a licitação deserta ou fracassada?

VA:F [1.9.22_1171]
O que achou?
0 0 votos
 

Prezada Cleo,
O ato que declara a licitação deserta ou fracassada encerra aquele procedimento e “faz as vezes” dos atos de homologação, revogação ou anulação. Sendo assim, vejo que esse ato deve ser praticado pela mesma autoridade que teria competência para homologar, revogar ou anular, a qual é diferente do pregoeiro, haja vista que, de acordo com os Decretos nº 3.555/00 (art. 9º) e nº 5.450/05 (art. 11).
Cordialmente,
Araune.

VN:F [1.9.22_1171]
O que achou?
0 0 votos
 

Olá. A licitação feita pelo nosso órgão para compra de notebooks c/ o pacote do Office foi vencida por uma licitante que se recusou a assinar o contrato, alegando não ter lido atentamente a obrigação de entregar o referido pacote. Como foi o único vencedor, não há como convocar eventuais classificados, na forma do art. 64, p. 2º da Lei 8.666/93.

Como há diversos servidores sem equipamento de trabalho, e algumas máquinas existentes já estão apresentando problemas, é exigível realizar nova licitação, com risco de solução de continuidade das atividades-fins da Secretaria, ou pode-se realizar dispensa, com supedâneo no art. 24, V da LLCA?

Atenciosamente,

VA:F [1.9.22_1171]
O que achou?
+1 1 voto
 

Prezado Jonathan,
Considerando que seu questionamento traz à tona caso concreto para análise, deixamos de analisá-lo, tendo em vista que reservamo-nos ao direito de, neste espaço, não analisar situações fáticas que carecem de análise e estudo individualizados.
Agradecemos a compreensão.
Att.

VN:F [1.9.22_1171]
O que achou?
0 0 votos
 

Próximos Seminários Zênite
Publicidade