Reserva de cotas para negros em concursos públicos federais: diretrizes instituídas pela Lei nº 12.990/2014

Autor:

Categoria: Regime de Pessoal

Tags: , ,

Após muita discussão em torno da constitucionalidade da adoção da política de cotas étnico-raciais para seleção de estudantes em universidades, no ano de 2012 o tema foi pacificado pelo STF no julgamento da ADPF nº 186 que considerou constitucional a política de ações afirmativas, o uso do critério étnico-racial por essas políticas e a reserva de vagas ou do estabelecimento de cotas.

Superada a controvérsia quanto à constitucionalidade das cotas raciais para universidades, agora as políticas afirmativas com base em critérios raciais atingem o mercado de trabalho, especificamente o serviço público federal. Fala-se da Lei nº 12.990, de 09 de junho de 2014 que, tendo por objetivo promover a inclusão da população negra no serviço público, estabeleceu a reserva de cotas para negros em concursos públicos federais.

As diretrizes instituídas pela referida Lei destinam-se aos processos seletivos realizados pela Administração Pública federal, autarquias, fundações públicas, empresas públicas e sociedades de economia mista da União. Do recente normativo, destacam-se os seguintes aspectos:

Percentual

A reserva de vagas, no percentual de 20% do total ofertado, deverá ser aplicada a todos os certames realizados em âmbito federal que ofereçam três ou mais vagas, conforme previsão do art. 1º, §1º:

“Art. 1o Ficam reservadas aos negros 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos no âmbito da administração pública federal, das autarquias, das fundações públicas, das empresas públicas e das sociedades de economia mista controladas pela União, na forma desta Lei.

§ 1o A reserva de vagas será aplicada sempre que o número de vagas oferecidas no concurso público for igual ou superior a 3 (três).

Previsão expressa em edital

O art. 1º, § 3º da Lei determina que os editais dos concursos prevejam de forma expressa o total das vagas correspondentes à reserva para cada cargo ou emprego público ofertado.

Autodeclaração

Para concorrer às vagas reservadas, deverá o candidato autodeclarar-se negro. Nesse sentido, é o que dispõe o art. 2º da Lei, nos seguintes termos:

“Art. 2o Poderão concorrer às vagas reservadas a candidatos negros aqueles que se autodeclararem pretos ou pardos no ato da inscrição no concurso público, conforme o quesito cor ou raça utilizado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.”

Conforme se observa, o critério eleito pelo legislador para que o candidato possa beneficiar-se da reserva de vagas é a autodeclaração, cuja falsidade, uma vez comprovada, ensejará a eliminação do candidato do certame ou a anulação de sua admissão, caso já tenha sido investido no cargo público. Nesse sentido, o que restou estabelecido no parágrafo único do art. 2º, in verbis:

“Parágrafo único. Na hipótese de constatação de declaração falsa, o candidato será eliminado do concurso e, se houver sido nomeado, ficará sujeito à anulação da sua admissão ao serviço ou emprego público, após procedimento administrativo em que lhe sejam assegurados o contraditório e a ampla defesa, sem prejuízo de outras sanções cabíveis.”

Aplicação e Vigência

No que se refere à vigência, o art. 6º dispõe que a Lei entra em vigor na data de sua publicação, para viger por dez anos, não se aplicando aos editais de concursos já publicados antes de sua entrada em vigor.

 

Ainda sem votos
Please wait...


Deixe o seu comentário!

Ao enviar, concordo com os termos de uso do Blog da Zênite.

4 Comentários

SE eu sendo negro e não me auto declarar no ato da inscrição.Não posso concorrer as vagas reservadas a negros e pardos?Sendo assim existe brecha na Lei para que eu possa entrar com algum tipo de recurso?

 
Gabriela Lira Borges disse: 5 de maio de 2015 às 9:39

Prezado Sr. Maurício, agradecemos por acompanhar o Blog da Zênite!
Quanto a seu questionamento, conforme mencionado no post, de acordo com o art. 2º da Lei nº 12.990/14, o critério escolhido pelo legislador para que o candidato possa concorrer às vagas reservadas a candidatos negros foi a autodeclaração no momento da inscrição. Desta forma, tendo em vista o precitado artigo legal, a omissão do candidato no momento da inscrição inviabiliza que concorra às vagas reservadas.
Atenciosamente,
Gabriela Borges

 
Fernanda Sales disse: 25 de agosto de 2015 às 10:07

Bom dia,
Um candidato que concorre a vagas de negros e também a vagas de ampla concorrência, quando sai a classificação e obtêm nota para as vagas destinadas a vaga de ampla concorrência mas é nomeado para a vaga de negro por estar em primeiro lugar, a vagar que seria dele na ampla concorrência passa para outro negro?
Ex: em um concurso havia 13 vagas para ampla e 4 para negros. Maria ficou em 7 na ampla e 1 na lista de negro? Foi nomeada na lista de negro, a vaga que seria dela na ampla concorrência para para outro negro ou para a ampla?

 
Gabriela Lira Borges disse: 25 de agosto de 2015 às 11:22

Prezada Fernanda, inicialmente, agradecemos por acompanhar o Blog da Zênite! Quanto a seu questionamento, supondo-se que o edital do concurso previu que candidatos inscritos para a reserva de vagas concorrem às vagas reservadas e os inscritos para ampla concorrência concorrem às demais vagas ofertadas, considero inviável a migração de um candidato de uma esfera (ou lista) de concorrência para outra por força do princípio a vinculação ao instrumento convocatário.
Atenciosamente,
Gabriela Borges

 

Próximos Seminários Zênite