O blog mais relevante sobre licitações e contratos do Brasil

Junte-se aos nossos mais de 100.385 leitores. Cadastre-se e receba atualizações:

Solicitação de repactuação feita em 05/2017 – decorrente de CCT registrada em 04/2017, com efeitos retroativos a janeiro do mesmo ano (data-base da categoria envolvida na prestação do serviço) – é possível autorizá-la mesmo que a vigência contratual tenha terminado em 02/2017?

O direito à repactuação surge com o início da vigência de lei ou acordo ou convenção coletivos que altere as verbas trabalhistas de determinado setor, aumentando, para o contratado, o ônus financeiro a ser suportado no âmbito do contrato administrativo. Esse é o entendimento do TCU, no Acórdão nº 1.827/2008 do Plenário, de Relatoria do Ministro Benjamin Zymler.

Com o início dos efeitos do documento coletivo aplicável à categoria profissional responsável pela execução do contrato administrativo, o contratado passa a fazer jus à repactuação na proporção do desequilíbrio analiticamente demonstrado.

Porém, em respeito aos princípios da boa-fé contratual e da segurança jurídica, o exercício desse direito tem limites. Ao tratar do assunto, a Instrução Normativa nº 05/2017 da SLTI/MPOG assim dispõe:

Art. 57. As repactuações serão precedidas de solicitação da contratada, acompanhada de demonstração analítica da alteração dos custos, por meio de apresentação da planilha de custos e formação de preços ou do novo Acordo, Convenção ou Dissídio Coletivo de Trabalho que fundamenta a repactuação, conforme for a variação de custos objeto da repactuação. […]

§ 7º As repactuações a que o contratado fizer jus e que não forem solicitadas durante a vigência do contrato serão objeto de preclusão com a assinatura da prorrogação contratual ou com o encerramento do contrato. (Grifamos.)

Essa regra pretendeu limitar o direito à repactuação surgido na vigência contratual em duas situações: quando o ajuste é prorrogado sem ressalvar referido direito e quando encerrada a relação contratual.

É interessante observar que, apesar da literalidade da norma provocar a compreensão de que o eventual exercício do direito à repactuação já estaria precluso com o mero fim da vigência contratual, para a Zênite, essa não é a interpretação mais adequada.

O mecanismo da preclusão lógica impede que se pratique ato posterior incompatível com outro intentado anteriormente.

Desse modo, entende-se que o particular que aceita prorrogar contrato, expressamente nos mesmos termos e condições (inclusive preço) em que ele se encontra (sem excepcionar eventual direito à repactuação existente), não pode posteriormente pleitear o reajustamento de seus preços.

Agora, essa incoerência entre atos não está presente na hipótese de extinção do contrato, a qual ocorre de forma automática, independentemente da vontade do particular.

Em outras palavras, não haveria de se falar na ocorrência de preclusão lógica do direito à repactuação em razão da simples e automática extinção do contrato, porque não haveria incompatibilidade entre o pedido de repactuação e um ato praticado anterior a ele (exceto se o particular deu plena quitação das obrigações contratuais sem qualquer ressalva).

Tal conclusão se reforça no caso questionado, em que o direito à repactuação surgiu após a extinção do contrato (fevereiro), tendo a CCT sido registrada apenas em abril.

Nesses termos, tendo sido a CCT assinada, depositada e registrada após fevereiro, sequer seria possível exercer o direito, já que inexistente à época da extinção do contrato. Portanto, com base na compreensão do instituto da preclusão lógica, tem-se que a contratada faz jus à repactuação até que prorrogue a vigência contratual nas mesmas bases negociais inicialmente estabelecidas (inclusive quanto ao preço) ou assine termo de quitação plena ao final do contrato, sem qualquer ressalva ao direito surgido na vigência contratual.

Ocorre que, além de o simples término da vigência (sem a edição de termo de plena quitação de obrigações contratuais) não provocar a incidência da preclusão lógica, o fato é que, no caso em análise, naquele momento (fevereiro) sequer havia surgido o direito à repactuação. Nesses termos, tendo sido a CCT assinada, depositada e registrada após fevereiro, não seria possível exercer o direito à repactuação à época da extinção do contrato, porque inexistente. Logo, o particular faz jus ao direito à repactuação, cujos efeitos atingem período em que os empregados da contratada trabalharam para a Administração.

Por fim, tendo por premissa a construção de relações consonantes aos princípios da boa-fé e da lealdade e, mesmo, seguindo a tendência para uma gestão pública consensual, recomenda-se que a Administração alerte as contratadas relativamente ao direito à repactuação existente/prestes a ser reconhecido, caso queira exercê-lo/excepcioná-lo.

Nota: O material acima foi originalmente publicado na Revista Zênite – Informativo de Licitações e Contratos, na seção Perguntas e Respostas, e está disponível no Zênite Fácil, ferramenta que reúne todo o conteúdo produzido pela Zênite sobre contratação pública. Acesse www.zenite.com.br e conheça essa e outras Soluções Zênite.

[Total: 6    Média: 3.2/5]

Deixe o seu comentário !